Haken – Aquarius (2010)

Origem: Inglaterra
Gêneros: Metal Progressivo, Rock Progressivo
Gravadora: Sensory

Haken é uma jovem banda formada em 2007, composta na época de Aquarius (primeiro disco de estúdio) por Ross Jennings (vocais), Richard “Hen” Henshall (guitarra e teclado), Charlie Griffiths (guitarra), Thomas MacLean (baixo), Ray Hearne (bateria, tuba e djembê) e Diego Tejeida (teclado) fazem um som que abrange momentos extremos com guturais densos e atmosféricos e outros suaves que remetem ao Rock Progressivo setentista, além de fazer um som difícil de se digerir, principalmente devido a duração de suas canções. Aquarius tem quase 73 minutos de duração e nos traz apenas sete faixas, sendo a mais curta com mais de 6 minutos e meio. E o que ajuda ainda mais na dificuldade da digestão deste álbum é a complexidade não só musical, mas também lírica. O conceito de Aquarius é sobre um casal que tem uma filha sereia.

A primeira faixa é “The Point Of No Return” com seus 11 minutos logo de cara, e nela já notamos diversas influências no som do grupo, deste Dream Theater, Yes, Pain Of Salvation, Emerson, Lake & Palmer até o mais extremo como Opeth. Outra coisa notável a musicalidade diferenciada do grupo. As ideias colocadas pelo grupo, o uso de instrumentos incomuns e a execução são uma boa diferenciação de outras bandas. Vocalista Ross Jennings em alguns momentos pode não parecer alguém agradável de se ouvir cantar, como se fosse Geddy Lee, mas o que ocorre com Geddy ocorre com Ross. É apenas questão de costume, já que ambos são bons vocalistas. Os guturais feito por Ross, apesar de serem muito bem feitos e a banda fazer um ótimo trabalho, soa totalmente deslocado. Soa forçado demais você estar ouvindo um som viajante, quando vem um “rugido infernal”, se assim me permito afirmar. E o mesmo caso dos guturais ocorre com “Streams”, que tem um início até Pop e que também passa dos 10 minutos de duração, mantem as ideias de sua antecessora, mas sem necessariamente parecer uma cópia. A progressão da faixa é mais coerente e o ritmo quebrado que a banda coloca no seu som não é para qualquer um. Grande solo de teclado essa faixa possui.

A partir de “Aquarium” em diante não teremos que esperar guturais. A terceira faixa, também acima dos 10 minutos, começa épica, e que facilmente poderia ser uma faixa introdutória do Genesis da fase Peter Gabriel. Quando o piano aparece, e em seguida a voz de Ross, já percebemos que teremos uma faixa mais calma se formos comparar com as outras duas passadas. O refrão é belíssimo, Ross põe toda uma emoção em sua voz e para completar, ele está aliado de uma orquestração belíssima. Com o passar do primeiro refrão, notamos um momento que relembra Pink Floyd, tanto no teclado quanto na guitarra. É uma bela balada épica em sua primeira parte, até que com seu decorrer ela se transforma em algo até feliz, que acaba me lembrando da canção “Surronded” do Dream Theater, mas não soa plágio de maneira alguma. Ela tem uma regressão muito linda, até um piano aparecer e então mais uma vez o refrão reaparece e traz aquela magia da canção. E para encerra-la, um majestoso solo. Uma das canções mais belas do álbum. “Eternal Rain” é a primeira faixa abaixo de 10 minutos, e também é a mais curta do disco. Possui um bom refrão e com sua evolução me recordo do som que o Circus Maximus faz, que apesar de ter uma forte influência de Dream Theater e Symphony X, soa bem alegre, mas uma grande diferença é a facilidade do Haken em surpreender seu ouvinte com sua música. Aqui soa mais imprevisível.

“Drowning In The Flood”, faixa que aproxima dos 10 minutos de duração, tem um começo com riffs pesados, além de uma interpretação diferenciada de Ross, colocando mais agressividade na faixa sem ser aquele gutural exagerado, e nos momentos mais suaves ele segue o que a faixa pede, fazendo muito bem seu papel, assim como a banda faz também, mas o refrão apesar de ser bonitinho, não causa impacto algum, mas com sua metade em diante, ela tem uma melodia e arranjos muito interessantes. O solo de teclado no fim da faixa me remete ao Jordan Rudess na época do Train of Thought, soando até exagerado e acabando do nada, e quando você vai reparar e já está em “Sun”, que começa com um violão acompanhado de um órgão ao fundo (obviamente feito no teclado). A balada tem um pouco mais de 7 minutos e é mais calma de Aquarius. Sua melodia e arranjos são bonitos, além de uma orquestração bem bacana. Quando ela acaba e próxima faixa começa, você até se assusta.

A última faixa é a posterior de “Sun”, a épica e longa “Celestial Elixir”, com quase 17 minutos de duração. Aqui é que a “Máquina de Loucuras Haken” mostra todo seu potencial. Uma introdução que pega todos elementos do álbum, desde os mais densos e atmosféricos até os mais belos, que apesar de longa, ela não deixa você cansado devido a grande influência que o grupo tem e colocam. Ross começa a cantar perto dos 4 minutos e mostra uma doçura de sua voz incrível. A faixa até os 8 minutos é bem bonita, bem no estilo do Rock Progressivo, até que vem um momento que poderia estar em um desenho animado antigos, aqueles estilo Tom & Jerry, muito interessante e divertido. A criatividade do grupo é sensacional, tendo momentos onde o tecladista faz mágica, os guitarristas constroem solos muito contagiantes, enfim, a banda faz um trabalho de tirar o chapéu. O encerramento é aquilo que disco pedia, cheio de musicalidade e bem complexo.

Aquarius é sem duvida alguma uma excelente estreia para uma banda, e o Haken tá de parabéns, fizeram um trabalho desafiador e muito bom, que infelizmente vai requerer algumas audições extras (eu por exemplo, escutei esse disco pela primeira vez em Março do ano passado e só agora eu estou o compreendendo), mas serão recompensadores no fim de tudo, e não só musicalmente, mas liricamente é muito bom. Entretanto, um exageros e uma certa falta de consistência prejudicaram um pouco o álbum, mas apesar disso, vale muito a pena ouvir este álbum. Recomendado aos fãs de Rock e Metal Progressivo e pessoas que querem se acostumar com composições maiores do que as simplórias canções de 3 minutos, sendo 2 composto por refrão. É uma boa pedida Aquarius.

1 – The Point Of No Return

2 – Streams

3 – Aquarium

4 – Eternal Rain

5 – Drowning In The Flood

6 – Sun

7 – Celestial Elixir

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s