Incubus – If Not Now, When? (2011)

Origem: Estados Unidos
Gênero: Rock Alternativo
Gravadoras: Epic, Immortal

If Not Now, When?, produzido por Brendan O’Brien, é o sétimo disco de estúdio do Incubus. A banda norte-americana de Rock Alternativo é composta por Brandon Boyd (vocalista, guitarrista secundário e percussionista), Michael Einziger (guitarrista principal), Jose Pasillas II (baterista), Chris Kilmore (pianista e tecladista) e Ben Kenney (baixista) lançaram um álbum interessante que merece nossa atenção. Contendo 11 faixas que variam entre um pouco mais de 2 minutos a mais de 7 minutos e meio de duração, If Not Now, When? é um disco que poderia ser considerado entre os melhores do ano passado, se não fosse por algumas coisas, que veremos logo abaixo.

O disco começa com a faixa-título que parece como uma faixa de abertura para um filme. Consigo até imaginar essa música mostrando os créditos iniciais. Aliás, o disco inteiro parece uma trilha sonora de um filme, aliás de filme romântico que com seu decorrer tem alguns momentos bem complicados, mas que tudo fica bem no fim, como um filme romântico. Mas voltando o foco a primeira faixa, ela começa bem bonita com seu violino até a banda aparecer e fazer uma música bacana. Os vocais, apesar de não serem nada geniais, funcionam bem. “Promises, Promises”, segundo single do disco começa com um piano que percorre pela faixa toda. É outra faixa muito bonita. É um álbum conciso e direto (e bonito). Bom para ouvir em qualquer situação diária enquanto deixa como música de fundo. Mesmo tendo momentos tensos e densos (porém belíssimos e interessantes) como “In The Company Of Wolves” e “Switchblade”, é um disco muito bom. As vezes peca pela falta de ousadia, mas isso não diminui a qualidade do disco.

If Not Now, When? é um bom álbum, consistente da primeira a última faixa, e mesmo mantendo uma semelhança entre suas onze faixas, não soa repetitivo de maneira alguma (a não ser que você ouça o álbum apenas uma única vez, aí sim vai parecer tudo idêntico). Mas como já citei, peca na falta de ousadia, que só temos nas já citadas “In The Company Of Wolves” e “Switchblade” (principalmente “In The Company Of Wolves” e seus sete minutos de duração, que as vezes soa até Psicodélica). Se tivesse a ousadia dessas duas e a beleza que encontramos nas outras, Incubus poderia ter lançado um dos melhores discos do ano passado. Sem falar também que a faixa de encerramento, “Tomorrow’s Food” para mim é particularmente fraca para terminar o disco. A banda poderia ter algo mais forte para encerrar o álbum. If Not Now, When? é recomendado para aqueles que querem ouvir uma boa música que eu considero suave e quiser ouvir como música de fundo. Esse álbum funciona muito bem nesse quesito.