Malta – Supernova (2014)

malta
Origem:
Brasil
Gênero(s): Pop Rock, Hard Rock, Post-Grunge
Gravadora: Som Livre

A tão aclamada banda Malta, vencedora do programa Superstar da Rede Globo, lançou agora seu primeiro álbum, chamado Supernova. A banda ficou famosíssima pelas performances no programa da televisão, criando uma legião de fãs e recebendo pagação de pau de pessoas como Fábio Jr e Dinho Ouro Preto. Só para comentar, causa nojo Fábio Jr falar que o vocal, Bruno, cantou “I Don’t Want to Miss a Thing” melhor que Steven Tyler. Mas que belo jurado, não?

O álbum é composto por versões “completas” das músicas que a banda apresentou no programa e mais algumas inéditas. O que tenho a dizer sobre “Supernova”? É um álbum com um Hard Rock estilo Creed (mas não igual) e com um vocal que lembra muito a banda gaúcha Reação em Cadeia, podem crucificar quem escreve por isso, mas a culpa da sonoridade similar é da própria banda.

Munido de 13 faixas e uma duração de 40 e poucos minutos, a banda nos trás um álbum fraco, com algumas composições porcas, como por exemplo a música “Cala Tua Boca na Minha” que é um loop da mesma letra durante os 3 minutos de música e uma das mais famosinhas, “Diz pra Mim”, que é basicamente a mesma estrofe com algumas alterações e o refrão se repetindo durante toda a música. As 13 músicas são quase todas parecidas com as outras, calmas e lentas com acompanhamento de piano e Bruno fazendo um vocal melódico.

A produção do álbum é um ponto meio positivo, pois não é das piores. Mas de que adianta uma produção boa quando o material apresentado no disco não é de uma grande qualidade? E também Bruno não deve ser desmerecido, ele tem um vocal muito bom, mas o resto da banda não ajuda muito. Em resumo, “Supernova” é um álbum arrastado e maçante, com músicas chatas, cansativas e sem graça. Apesar disso, a banda deseja dar ao público músicas que mesclam o peso do Rock com o romantismo e suavidade de grupos pop, e cumpre essa proposta com o álbum. Se você for um fã da banda Malta, você com certeza vai amar “Supernova” do início ao fim. Agora, se não for, não recomendo passar perto desse álbum.

Sem título-1

Anúncios

Ariana Grande – My Everything (2014)

My EverythingOrigem: Estados Unidos
Gênero: Pop, R&B
Gravadora: Republic

Ariana Grande é uma artista que ficou reconhecida por causa de sua atuação como a personagem Cat Valentine na série da Nickelodeon “Brilhante Vitória”. Em 2014 a moça lançou seu segundo álbum de estúdio e diferente do primeiro, o aclamado “Yours Truly”, este tem várias participações, tais como Iggy Azalea e o produtor Zedd. O que me surpreendeu quando ouvi as músicas de Ariana pela primeira vez foi a qualidade de sua voz, que é bastante “poderosa”. Seu primeiro álbum foi aclamado pela crítica, e merecidamente, em minha opinião. Repleto de músicas suaves, bem produzidas e boas de se escutar.

Um ano depois, Ariana nos entrega “My Everything”, sucessor do seu primeiro e bem sucedido álbum. O álbum inicia com uma introdução bem rápida com Ariana cantando uma mini-letra, mostrando já o fator do vocal que citei. O CD arranca com “Problem”, que tem participação da rapper Iggy Azalea, a faixa tem uma levada de sax ótima e é uma música que fica na sua cabeça depois de escutar, é uma música ótima e conta com Iggy referenciando Jay Z com a frase “I’ve got 99 problems, but you won’t be one”. Em seguidas temos “One Last Time” e “Why Try” ambas músicas com um tema sentimental na letra, enquanto One Last Time é uma música mais “de balada”, Why Try é mais calma, lembrando até mesmo algumas músicas da artista Beyoncé.

Em seguida com “Break Free”, onde a produção fica por conta do DJ alemão Zedd, é a aposta de Ariana na música eletrônica, envolvendo um tema mais ou menos como o de “Problem”, foi uma aposta em cheio, é uma música enérgica e dançante, como se já não bastasse Problem, Break Free foi outra faixa do disco que emplacou bastante. Mais uma faixa de Ariana voltada ao lado do Hip Hop, “Best Mistake” tem participação do rapper Big Sean e é uma balada sentimental, uma das melhores do disco, devo dizer. “Be My Baby” é uma música animadinha e romântica e a próxima, “Break Your Heart Right Back”, que também investe no mesmo tema de “Problem”, é uma balada bem animadinha. Temos também a faixa “Love Me Harder”, que na verdade é uma faixa do cantor The Weeknd com participação de Ariana, mas que por algum motivo entrou no CD da cantora. Não é uma faixa ruim, mas é a mais fraca do disco.

“Just a Little Bit of Your Heart” é uma baladinha romântica que foi escrita pelo membro da boyband One Direction, Harry Styles. Apesar de tudo é também uma das melhores, se não a melhor faixa do disco, a voz de Ariana acompanhada da sinfonia de piano e orquestra criou uma atmosfera musical incrível, e os instrumentos são posicionados muito bem. A penúltima é a faixa “Hands on Me”, com participação do rapper A$AP Ferg. Pode parecer estranho, mas a faixa me deu um sentimento nostálgico por parecer faixas que cantoras como Britney Spears e, novamente, Beyoncé, lançavam no período de 2003 à 2006. É boa, apesar de eu ter achado a voz de Ferg meio estranha. O disco é encerrado com a faixa título, outra balada romântica com sinfonia de orquestra e piano acompanhado a voz de Ariana, outra faixa incrível.

Há edições do disco com faixas bônus, incluindo a famosa “Bang Bang”, música de Jessie J com participação de Ariana e da rapper Nicki Minaj, que realmente é uma faixa bem boa. Mas queria me centrar nas 12 faixas principais do disco. My Everything é tão bom quanto o primeiro álbum de Ariana, tem músicas boas, divertidas e algumas músicas “chiclete”. É um álbum bem produzido, e é a prova de que ainda há alguma esperança na música Pop de hoje em dia. Tenho escutado mais pop recentemente e digo que é sempre bom acostumar os ouvidos com outros estilos musicais. My Everything é sem dúvida um dos melhores álbuns pop do ano até agora, e eu recomendo dar uma “passada de ouvido” por ele. Claro que pode não agradar a todo mundo, mas porque não tentar?

Sem título-18