Linkin Park – Living Things (2012)


Origem:
Estados Unidos
Gêneros: Rock Alternativo, Rock Eletrônico, Rap Rock
Gravadoras: Warner Bros.

Ah, Linkin Park, uma de minhas bandas favoritas e que por coincidência já apareceu três vezes aqui no I&W, lançou um album novo recentemente. E quando digo recentemente é literalmente, pois o álbum foi lançado ontem e já temos uma review dele aqui, uma salva de palmas para o Images & Words! Enfim, eu esperei por alguns meses para ouvir o album, sem nem ouvir os singles que lançaram antes do álbum. Meus caros amigos, eu tive um pequeno déjà vu a ouvir o Living Things, e para entender mais o porquê disso, sigam-me os bons.

O álbum inicia com Lost in the Echo, a música já começa com um toque bem eletrônico, misturando as guitarras de rock com as batidas eletrônicas, formando uma boa música, assim como a próxima faixa: “In My Remains”. Agora temos a primeira música lançada antes do álbum, “Burn It Down”, que estourou pouco depois de ser lançada. A música lembra o sucesso “Breaking the Habit”, do segundo álbum da banda, Meteora. Começa então “Lies Greed Misery”, essa sim, bem mais eletrônica que as anteriores, que conta com os famosos gritos de Chester, misturando os vocais de Metal com a batida eletrônica, causando um impacto diferente e bem agradável.

“I’ll Be Gone” é a próxima, que entra no estilo Rock Alternativo, com uma ótima letra e ótima composição é uma das melhores do álbum. Seguida por “Castle of Glass”, que é calma e com toques eletrônicos, não tão boa quanto as outras, mas boa. Então temos “Victimized”, a melhor do álbum que tem a curta duração como seu único defeito. A música é pesada, entrando no estilo Nu Metal, contando com os berros de Chester novamente, muito boa, infelizmente a sensação do “antigo Linkin Park” dura por apenas 01:47. Então temos “Roads Untraveled”, que lembra músicas natalinas e é calma, mas infelizmente, não me agradou muito, já que ficou meio “estranha” pelo seu “clima natalino”. Logo temos “Skin to Bone” que é BEM eletrônica, que conta até com vocais adaptados para a música, mas também não me agradou. Voltei a me agradar com o toque de Rap Rock do CD com a faixa “Until It Breaks”, que lembra o grupo de Hip-Hop de Mike Shinoda, que por acaso assume os vocais dessa música, o Fort Minor. Essa faixa também me lembrou os antigos tempos de Linkin Park.

Agora temos “Tinfoil”, um instrumental eletrônico que está ali com a função de “abrir a faixa final”, que é “Powerless”. A música tem uma letra que se encaixa perfeitamente para aquelas situações de um amor não correspondido, a música é bem calma e com toques eletrônicos. Ela é muito boa, e fecha o CD de modo agradável. Minha singela opinião é que aqui temos um déjà vu dos últimos trabalhos da banda, os CDs Minutes to Midnight e A Thousand Suns, que agradam bastante no início e acabam estragando no meio, e fecham de uma forma aceitável. Mas podemos notar que desde o último trabalho da banda, A Thousand Suns, o grupo evoluiu bastante. O atual estilo da banda não é ruim, entretanto, tenho esperanças de que voltem ao seu melhor estilo um dia: o Nu Metal.

3 pensamentos sobre “Linkin Park – Living Things (2012)

  1. Podem falar o que quiser, mas eu gostei do álbum. A banda, de certa forma, “voltou as origens” um pouco, estando bem diferente de A Thousand Suns. No entanto, ainda não é nenhum Hybrid Theory ou Meteora. Esse trabalho foi simplesmente uma mistura de tudo que a banda já fez, desde o início Rap/Nu Metal até o som eletrônico.

    Tem algumas decepções, como “Roads Untraveled” (que parece de natal) e “Skin To Bone”, mas também tem boas músicas, como “Lost in the Echo”, que pra mim é a melhor do álbum. Destaque para “Victimized”, uma das melhores do álbum, realmente saiu algo bem legal. Só acho que por ser curta demais, passou a impressão de ter sido largada pela metade por ali mesmo. Acho que dava pra ter mais uma parte de raps do Shinoda seguido pelo refrão, por exemplo.

    De qualquer maneira, eu gostei do álbum pelo fato de ter “fugido” de A Thousand Suns. Mas, assim como a grande maioria, ainda prefiro os primeiros trabalhos da banda.

  2. ae pra quem se acha fan de lp s preperem pra ver o prximo abum mas ese album é de d +++++++++++++++++++++vei catle of glass essa musica e d mexer

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s