Our Lady Peace – Curve (2012)

Origem: Canadá
Gêneros: Rock Alternativo, Art Rock
Gravadora:  Warner Music

Curve é o oitavo e o mais recente disco da banda canadense Our Lady Peace. Produzido por Jason Lader e o vocalista da banda, Raine Maida, o grupo mostra uma sonoridade que assemelha aos discos Clumsy e Spiritual Machines, e caso formos mais críticos, podemos dizer que Curve é uma mistura do que é mais acessível no Muse, Radiohead e U2. Mesmo o álbum tendo uma aproximação a estes dois discos citados, soa único e diferente, como boa parte da discografia desse grupo canadense. Os vocais erráticos e de um timbre unicamente estranho de Raine Maida continuam aqui, mas a banda aqui faz um trabalho competente, nada incrível e virtuoso, mas o o suficiente para ser chamado de bom.

A primeira faixa é “Allowance”, e começa com um som que remete a uma sirene. A música em si é na linha do que o grupo compõe. Soa diferente se compararmos aos outros discos, incluindo o sétimo disco da banda, o Burn Burn, de 2009? Sim, mas isso não quer dizer que o estilo de como os caras compõe é alterado. As faixas que merecem destaque são “Heavyweight”, “Find Our Way” e “Rabbits”, e se ignorarmos a facilidade que esquecemos a faixa de encerramento, “Mettle”, que tem a participação do boxeador George Chuvalo (que por acaso é o homem da capa), podemos classifica-la como uma boa canção do Opeth. Algumas faixas poderiam receber um destaque se não fosse pelo próprio Maida, como “As Fast As You Can” e “Fire In The  Henhouse”. Outras possuem solos fenomenais, como em “If This Is It” e na já citada “Find Our Way”, mas possuem um problema, que ocorre com “Mettle” e que ocorre com o restante das faixas não citadas: em boa parte são esquecíveis e os vocais de Maida não facilitam muito na hora de torna-las memoráveis, por mais boas que as faixas sejam.

Curve é um trabalho mediano para bom. Tem momentos interessantes e até que valem a pena serem conferidos. Os problemas que o disco e a banda enfrentam são as canções esquecíveis e as linhas vocais de Maida. Mas se você der uma devida atenção a banda, a possibilidades de você acostumar e quem sabe até simpatizar com a sua voz. A banda, composta por Duncan Coutts (baixo e vocais de apoio), Steve Mazur (guitarra, piano, percussão, vocais de apoio) e Jeremy Taggart (bateria, percussão e vocais de apoio), que juntos fazem uma mistura do é acessível entre Muse, Radiohead e U2. Se quiser conferir para experienciar, Curve te dará 10 canções, basta ouvir com bastante calma. Recomendado aos fãs do grupo, fãs de Rock Alternativo e, quem sabe, para quem gosta de timbres vocais diferenciados, como os de Geddy Lee, do Rush.

1 – Allowance

2 – Fire In The Henhouse

3 – Heavyweight

4 – Window Seat

5 – As Fast As You Can

6 – If This Is It

7 – Will Someday Change

8 – Find Our Way

9 – Rabbits

10 – Mettle

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s