Música em minha vida: Antes, durante e após ao Dream Theater

Antes de mais nada, eu preciso fazer questão de deixar muito claro antes de você começar a ler esta minha pequena jornada caso você não tenha entendido o título (o que eu simplesmente duvido). Este texto que você irá ler não será apenas sobre a banda Dream Theater, é também sobre Andrews Senna, a pessoa que o escreve. É um texto muito pessoal (soa até auto-biográfico) e que irei compartilhar com você, e já avisando que será longo, bem longo. Espero que goste!

As pessoas que me conhecem sabem que eu não sou do tipo padrão social, ainda mais quando o assunto é música. Por mais que a minha profundidade musical foi e ainda é equivalente a um pires e não saber tocar um instrumento, eu sempre tive interesse em ouvir músicas mais alternativas se for comparar aos meus amigos. Enquanto aos 7 anos eles escutavam o Bonde do Tigrão, eu ouvia Gorillaz. Enquanto aos 12 anos eles escutavam 50 Cent, eu ouvia Slipknot e Linkin Park. Na minha atual idade (que por acaso é 17) eu escuto muitas bandas que não vale a pena citar apenas uma, já meus amigos ouvem desde NxZero, Restart, Luan Santana, Mr. Catra e uma penca de artistas. Não porque as coisas que eu ouvia eram melhores, mas elas tinham algo que me chamava a atenção. Com o tempo, eu deixei de lado Gorillaz e Slipknot e fui ouvindo outras coisas que não me recordo claramente, já que minha mãe para a música ainda era a MTV (tanto é que forcei meu tio a comprar Bullet In A Bible, DVD do Green Day, de aniversário). Cresci com a MTV sendo minha mãe graças a minha irmã, que começou vendo desde seus 5 anos. E não me pergunte o porque de isto ocorrer. Falando nela, atualmente ela tem quase 20 anos e escuta Michel Teló e muito Funk Carioca, e não me pergunte como isso aconteceu. Voltando a minha pessoa, eu apesar de assistir MTV diretamente, aquele Pop de Madonna e de outras artistas não me pegavam, nem as músicas chorosas das bandas emos brasileiras. Só conseguia ouvir músicas em Inglês e com vocal masculino. Detestava frontwoman, o motivo talvez seja porque elas me recordam de momentos traumáticos e vergonhosos da infância… Mas agora eu não sou o mesmo, consigo absorver melhor músicas em Português e vozes femininas.

Como deu para perceber acima, eu era (e talvez seja) um garoto alienado. Não escutava as coisas direito e só ouvia aquilo que me agradava a primeira vez. Segunda chance? Jamais. Álbuns? Nunca tive uma referência, pois meu pai era a favor da pirataria (nunca pagaria R$50,00 em um lançamento ou disco antigo que gostava muito) e os downloads quando era um menino eram lentos demais. Os discos que ele comprava não fazia eu ouvir com ele. Na verdade, meu pai nunca foi referência musical e provavelmente nunca será, ou eu iria ouvir Bee Gees e Zezé di Camargo & Luciano com prazer. E também nunca tive um amigo ou tio que tivesse a “coragem” de tentar me influenciar na música, com exceção da minha irmã, que tinha a mesma cabeça musical que a minha graças a MTV. Mas com a melhora e também o aumento da velocidade da internet, finalmente pude baixar discos, algo que eu não fazia muito pela falta de costume. Quando eu tive 14 anos, eu já não ligava a televisão para assistir a MTV, que havia virado adubo. Minha nova mãe virou a WWE, aquela federação de wrestling, que no nosso Português seria a luta-livre, telecatch, e para alguns que não entendem, farsa. É entendível o pensamento, mas vamos sair desse assunto, que não pertence ao blog. A WWE, que conheci em 2009 com este jogo (que foi lançado em 2008), me apresentou certos grupos que eu até hoje eu ouço, como Bloodsimple e Killswitch Engage (e na versão de 2010 apresentou-me o Trivium e Story Of The Year), e outros que meus amigos ouvem mas não gosto tanto, como Alterbridge. Quanto mais me aprofundava na WWE, mais música e bandas eu conhecia, mas foi com Bloodsimple e Trivium que eu comecei a ouvir discos por completo.

O meu primeiro disco (se recordo com clareza) foi Shogun do Trivium, e o segundo foi Red Harvest do Bloodsimple. Ambos os discos caíram rapidamente no meu gosto. Não precisou ouvir de novo para saber se gostei ou não. E assim comecei ir atrás de certos discos, como Stampede do Hellyeah (conhecendo graças a outra federação de luta-livre, TNA), Ten Thousand Fists e Indestructible do Disturbed, entre outras. A maioria que eu ouvia eu gostava de primeira e só ouvia aquela faixa que mais me marcou, até enjoar. Outras bandas que eu ouvia por recomendação de amigos da internet, como Megadeth e Edguy, o que meus ouvidos aceitavam eram muito, mas muito pouco. Eram bandas que mereciam audições extras, mas pela minha alienação não consegui digerir essas bandas. Um certo dia, eu estava conversando com meus amigos de internet (os amigos “da vida real” não conseguia conversar sobre música nem fazendo macumba) me falaram sobre a morte de The Rev, baterista do Avenged Sevenfold. Quando eu olhei a foto do indivíduo eu ri e fiz questão de não escutar a banda. Em outro dia, eu fiquei sabendo que o baterista do Dream Theater, Mike Portnoy, iria gravar as linhas de bateria de Nightmare, novo disco a ser lançado pelo Avenged Sevenfold. É aí que finalmente entra o Dream Theater nessa história toda.

Ao invés da maioria que foi atrás do Avenged Sevenfold, eu fui atrás de Dream Theater. O primeiro disco que eu ouvi da banda foi Black Clouds & Silver Linings, e levei certo tempo para procurar algo da banda. Esse disco me chamou a atenção por dois detalhes. A primeira coisa foi o número pequeno de faixas, tendo apenas 6. A segunda coisa me chamou a atenção ainda mais. A duração das faixas eram imensas para alguém não acostumado. Alguém com apelo ao som mais acessível certamente ficaria longe disso (a maioria das pessoas que eu apresentei Dream Theater tiveram essa reação), entretanto, eu era (e ainda sou) diferente. Aquilo foi um desafio atentador. Assim que fiz o download do disco, coloquei para ouvir, e a primeira faixa, “A Nightmare To Remember”, já começava diferente de tudo que já ouvido. Com mais de 16 minutos, aquilo era uma chuva de informações para um garoto de apenas 15 anos. Após escutar aquele disco, pela primeira vez eu entrei em duvida se havia gostado de um álbum. Não assimilei as canções do disco. Então eu decidi escutar o disco novamente, mas naturalmente, sem forçar. Apenas colocava para ouvir quando estava disposto. Com o decorrer do processo de digestão, decidi procurar por outras músicas do grupo, e iniciei meu vício na banda com “Pull Me Under” e “Metropolis, Pt. 1: The Miracle and The Sleeper”, ambas me fizeram “pirar”. Sempre que podia, colocava elas para tocar, e assim fui digerindo Black Clouds & Silver Linings (assim, desta maneira estranha mesmo). Comecei a valorizar o disco pelo pacote completo, não por uma única música. Claro, ainda era muito pouco, e isso começou a se desenvolver quando foi lançado Nightmare, quinto álbum de estúdio do Avenged Sevenfold. Sim, só comecei a escutar a banda quando lançou Nightmare. Nessa época o visual não me afetava e comecei a me focar apenas na música, que naquela pequena cabeça era o que importava (ledo engano meu).

Assim que eu comecei o disco, a faixa-título grudou na minha cabeça e demorou muito tempo para sair. Mas demorou mesmo. O disco acabou caindo no meu gosto com facilidade e eu acabei deixando de lado o Dream Theater, que eu já havia “comprado” (lê-se baixado) Systematic Chaos, de 2007, entretanto não havia dado sua devida chance. Acabei escutando tanto Avenged Sevenfold que decidi ouvir toda discografia da banda, e fazia isso simultaneamente com o Dream Theater, Trivium e Avantasia (que não havia citado, mas The Wicked Symphony foi um disco especial para mim). A7X (abreviação de Avenged Sevenfold) ficou na minha cabeça com facilidade, Trivium e Avantasia ficaram de lado, já o Dream Theater eu não conseguia apagar da cabeça, mas também não conseguia grudar, ouvia seus discos tentando prestar o máximo de atenção, mas foi difícil. Até conhecer Train Of Thought, de 2003. Aquele som pesado, diferenciado (para mim na época, pelo menos), com músicas longas, mas não tão quanto as de Black Clouds & Silver Linings. Lembro de dizer para o Mateus Pascoal (um dos administradores do blog, amigo de internet que considero um irmão perdido pelo mundo) que era o melhor disco do Dream Theater, mas ele dizia que era o Metropolis Pt. 2: Scenes from a Memory (e provavelmente ele estava certo e continua certo se ele ainda acha esse disco o melhor). Levei um tempo para ir atrás desse álbum, mas quando eu fui, valeu a pena, mas valeu mesmo. Se tornou um grande disco em minha “coleção”. Dream Theater se tornou minha mania, meu vício. Não era fã da banda porque nunca comprei algum produto oficial sequer da banda, e nunca achei tudo perfeito, como alguns fãs acham (eu sou daqueles que acham que fã, palavra derivada de fanático, é sinônimo de retardado). Eu me considerava mais um grande admirador da banda, que sabia dizer do que gostava ou não gostava.

Levou um certo tempo para eu mudasse de opinião sobre o Dream Theater, que considerava uma banda animalesca, digna de ser considerada a melhor da atualidade (!), por incrível que pareça. Mas antes dessa mudança, eu precisava de um motivo, certo? Vamos chegar a ele. Resolvi procurar bandas do gênero do Dream Theater, algumas influências do grupo e outras que não tinham nada a ver com a banda e por isso não irei cita-las. Conheci (sem ordem alguma) Circus Maximus, Haken, Ayreon, Pain Of Salvation, Porcupine Tree, Opeth, Between The Buried And Me, Rush, Yes, Genesis, King Crimson, Pink Floyd, Frank Zappa, Univers Zero e Emerson, Lake & Palmer. Todas as bandas citadas eu gostei do que eu ouvi. Algumas eu me aprofundei mais do que outras, mas todas tiveram algo a acrescentar a meu gosto musical, deixando mais amplo, e fui aprendendo a ouvir músicas mais diversificadas. Hoje, por exemplo, consigo ouvir MPB sem sentir “nojo” graças a esses grupos, por estranho que pareça. Comecei a dar valor ao que não conhecia e ouvir sem ter ideias pré-fabricadas. Mas quando eu comecei a me aprofundar nestas bandas citadas, eu comecei a reparar em coisas do Dream Theater que comecei a estranhar, comecei a ler, a formar opiniões próprias, além de me aprofundar no grupo ainda mais durante alguns meses (talvez mais de um ano). Hoje, aos 17 anos, percebo coisas que “ontem” não enxergava. E elas não sem nenhum pouco boas.

Por onde posso começar? Já sei! Que tal dizer que Metropolis Pt. 2: Scenes from a Memory, disco considerado por alguns  o ápice da banda, na verdade é apenas a terceira etapa de um declínio constante? Sim, eu não estou louco. É um grande disco, sem duvida alguma. Mas tem algo além do que é visível. Vamos começar por onde tudo começou. When Day and Dream Unite, de 1989, era um álbum com uma produção porca e o vocalista era Charlie Dominici, que tinha uma voz típica de vocalista da década de 80. Além da falta de carisma no palco (segundo os membros da banda), não encaixava no som do grupo, composto pelos fundadores John Petrucci na guitarra, Mike Portnoy na bateria e John Myung no baixo, e no teclado Kevin Moore. Mesmo na sua estreia, o Dream Theater chamou a atenção pelo nível técnico de seus músicos, que será mais aclamado em Images and Words, de 1992 (nome do blog que você está lendo este texto), o clássico do grupo. Já com outro vocalista, James LaBrie, a banda consegue por o nome Progressivo de volta no mapa da música comercial graças ao hit “Pull Me Under”. A banda conseguiu se superar em Awake, de 1994, que sim foi o ápice da banda, e o último a conter o tecladista Kevin Moore, que ainda até hoje é considerado um gênio e deixa muitas “viúvas”. Enquanto que em When Day and Dream Unite e Images and Words tinham uma sonoridade que me remete a Circus Maximus, Awake é algo mais pesado e melancólico. E a partir de então, com a saída de Kevin Moore, que o processo de declínio começa.

Falling Into Infinity, quarto disco da banda e onde o ponto mais próximo de acabar chegou. Derek Sherinian substitui Kevin Moore. Com a pressão da gravadora para lançar músicas amigáveis para as rádios, a banda não pode lançar um disco duplo que queria lançar. Nesse disco duplo haveria a segunda parte de Metropolis, que teria mais de 20 minutos provavelmente. A gravadora conseguiu forçar a lançar faixas como grudenta, porém nojenta, “You Not Me”. Após lançar o álbum e por pouco a banda não acabar, Mike decidiu que a banda não seria produzida por mais ninguém, a não ser por eles mesmo. Aí é que entramos no segunda etapa do declínio. O primeiro disco a banda produziu foi o EP A Change Of Seasons, que teve a participação de David Prater. Mas agora quem produz o álbum é John Petrucci e Mike Portnoy, e Derek Sherinian sai da banda para ceder o lugar a Jordan Rudess. Aqui que as coisas começam a perder o controle. Aqui que o ego dos músicos acaba se tornando maior que a música. Metropolis Pt. 2: Scenes from a Memory tem momentos que se o produtor David Prater estivesse produzindo, iria dar uma “limada”, ou seja, tirar aquele exagero, principalmente na guitarra de John no solo de “Fatal Tragedy”, que hoje ele não consegue mais tocar. É um ótimo disco, sem duvida alguma, mas tem coisas ali que poderia ser alteradas. Após Scenes, temos o disco duplo Six Degrees Of Inner Turbulence. A banda tendeu para um lado mais pesado e experimental no primeiro disco, e no segundo algo mais clássico da banda. Alguns momentos dos dois discos poderiam ser “limados” facilmente, pelo bem da música. Mas até aqui o Dream Theater não lançou necessariamente um disco ruim. Isso vai depender do seu gosto.

Em Train Of Thought que as coisas perdem o total controle. O Metal, que já era uma das maiores características do grupo, se torna quase obsoleta. E não era só um peso comum, era uma fritação que chegava a ser esquizofrênica, uma masturbação musical de mau gosto. E sabe porque as coisas saem do controle? Ego. Essa é a palavra. A banda deixou-se levar pelo ego de seus músicos e que no futuro lançaria os fracos, chatos, e as vezes até exemplos de plágios, como Octavarium e Systematic Chaos e o extremamente forçado Black Clouds & Silver Linings. E o que dizer do novo disco da banda, A Dramatic Turn Of Events? A banda simplesmente reciclou alguns materiais de álbuns antigos, misturaram com novas ideias e botaram junto com Images and Words. Temos um álbum digno de AC/DC, que não arrisca algo mais diferenciado para não perder fãs. Me pergunto se não fosse o Grunge e Awake tivesse feito sucesso comercial equivalente a Images and Words, como seria a atualidade? Mike Portnoy estaria na banda? A banda seria mais famosa? São tantas as duvidas que eu facilmente me perco em meu pensamento.

Outra coisa que eu preciso dizer, é sobre o gênero da banda, Metal Progressivo. Dream Theater em minha opinião não é Metal Progressivo (com exceção – talvez – do álbum Awake). Todos os discos da banda até Falling Into Infinity são uma mistura de Hard Rock com Rock Progressivo, com pitadas de Metal (algo equivalente ao Rush), a partir deste álbum, eu classifico Dream Theater como Heavy Metal Técnico, ou no Inglês, Technical Heavy Metal, com influências de Rock Progressivo e Hard Rock. Faz mais sentido, já que a banda a partir de seu quinto disco começou a deixar seu lado Metal mais visível, e isso foi levado para os álbuns posteriores, além de um uso exagerado de técnica musical que no fim só servem para alimentar o ego do artista. O Dream Theater não é uma banda de Rock Progressivo, claro, mas tem canções que podem fazer parte do gênero, como a linda “Trial Of Tears”. O que poderia ser definido como Metal Progressivo? Eu definiria estas bandas como do gênero: Porcupine Tree (nos discos que usam uma influência do Metal), Ayreon (idem ao Porcupine Tree), Neal Morse, (idem ao anteriores), Fates Warning, e outras bandas que eu não irei citar para não ficar grande demais (e desnecessária).

A última pergunta pessoal para mim mesmo é: Eu irei continuar gostando de Dream Theater, apesar dos pesares? Sim, eu irei, mas não da mesma forma descontrolada e descabida. Agora eu tenho uma noção, um raciocínio melhor (eu acho). E se um dia eu deixar de gostar, eu certamente irei respeitar a banda, por me abrir para a música, por me mostrar coisas incríveis, e principalmente, por me ensinarem a escutar um disco. Odiar o Dream Theater por inteiro seria como cuspir no prato que eu comi milhares de vezes. Seria muito injusto fazer com quem me mostrou coisas que eu não imagina existir. Existe chances de eu mudar de ideia, mudar meu pensamento sobre a banda? Claro que existe essa chance, mas se será a mesma coisa que eu tinha antes? Improvável.

4 pensamentos sobre “Música em minha vida: Antes, durante e após ao Dream Theater

  1. Sensacional. Teve coisas ai que eu não sabia, tipo que você ouvia Slipknot o.O Mas gostei muito, mesmo. E fez eu enxergar algumas coisas que eu não via sobre o DT. E sobre a música em geral também, se for falar de você , Senna, que foi o “meu Dream Theater”, ou seria capaz que hoje eu estaria ouvindo apenas poucas bandas de power metal e muito hard rock ou classic rock.

    • Antes de mais nada, obrigado pelo reconhecimento! Sem falar também que você me ajudou a absorver melhor algumas bandas, além de me apresentar outras muito bacanas.

      Se não fosse pelo seu e o meu “Dream Theater”, provavelmente esse blog nem existiria e seriamos dois alienados musicalmente.😀

  2. Você me apresentou o Awake, eu ouvi algumas músicas e não gostei, me fez ouvir de novo, eu ouvi novamente e gostei! Você que foi o FDP que me fez parar de baixar músicas separadas, sempre baixos discos inteiros agora, por sua culpa! Vlw Senna, seu gay… S2 huahuashusah…

    Precisamos jogar mais Minecraft, aquelas tarde épicas no Skype ;D

    • HAHA!😛 Obrigado pelo reconhecimento!

      É bom ouvir CDs completos. As vezes pegando apenas uma música, você não percebe se as ideias daquela faixa fazem parte de um contexto ou se foram jogadas ali para preencher espaço. E também pegando apenas aquela faixa, você não sabe se o músico é uma fraude ou alguém realmente talentoso com uma proposta boa.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s